Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Trinta por uma linha

Da arte e outros prazeres

vangogh16ok_1164730_292213.jpg
 
Há algum tempo atrás, ao visitar uma exposição de quadros, vi-me envolvido por um rodopio de sensações que só a arte, e um conjunto restrito de outras coisas, consegue transmitir. Não resisti, e deixei uma pequena nota ao autor dos referidos quadros. Transcrevo aqui essa nota, porque traduz ,de certa forma, a minha maneira de ver e estar na arte:


"A pintura é uma poesia que se vê e não se sente e a poesia é uma pintura que se sente e não se vê."

Com este meu gosto pelas letras que tudo contam e nada dizem, não resisti a este ilustre dito vindo do mestre que foi e ainda é, Da Vinci. Na verdade, não há muito para dizer. Há, isso sim, muito para sentir; os olhos, mal educados, nunca foram bons a falar. De peito feito e coração bem aberto, todas as cores terão um significado, todos os traços serão inconstantemente lineares, todos os tons falarão por si. Daí eu me ter sentido obrigado a referir a poesia, essa irmã gémea da pintura. Ambas, de mão dada, caminham em direcção ao infinito, guiadas pela musicalidade, em busca da perfeição. E é isto que deve guiar a nossa vida, a perfeição, a música, os devaneios do infinito. Só assim somos verdadeiros seres humanos.
O ideal espera por nós, temos que iniciar a procura. Pela sonoridade, pela tonalidade, pelo sabor, um dia lá chegaremos. E nunca, como Ícaro, cairemos. As nossas asas não são feitas de cera.
 
 
Este texto foi escrito por mim há cerca de dez anos, um período em que estava sob forte influência do Romantismo. Muito mudou, já não acredito em ideiais e perfeições, mas continuo a afirmar que não podemos deixar de os procurar, pois é isso que dá sabor (e muitas vezes insatisfação) aos nossos dias! Só assim não estagnaremos e evoluiremos para seres não perfeitos, mas consistentemente melhores.

A amizade segundo Oscar Wilde

 oscar-wilde.jpg

 

Prezo muito a amizade e, por isso, este texto é, para mim, uma verdadeira doutrina.

 

Loucos e Santos

 

“Escolho os meus amigos, não pela cor da pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila dos olhos.
Tem que ter um brilho questionador e uma tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espíritos, nem os maus de hábitos.
Fico com os que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero respostas, quero o meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim.
Para isto, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho os meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só ombros e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim, metade maluquice, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, que e lutem para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças para que não esqueçam o valor do vento no nosso rosto; e velhos para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem sou.
Pois vendo os loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos nunca me esquecerei de que a ‘normalidade’ é uma ilusão imbecil e estéril…”

 

Fica a recitação do texto original para que sintam a mensagem de forma mais autêntica.

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Categorias

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D